Como lidar com colaboradores irresponsáveis e improdutivos?

Como lidar com colaboradores irresponsáveis e improdutivos?

Quem me acompanha por aqui e também é gestor concordará quando eu disser que são muitos os fatores que tornam o nosso trabalho difícil, entre eles o fato de que é desafiador lidar com pessoas e colaboradores por diversas razões.

Hoje eu quero falar sobre como agir em relação a colaboradores que não têm responsabilidade com o trabalho ou se mostram improdutivos. Será que dispensar esses funcionários é sempre a melhor opção? Acompanhe.

Como detectar comportamentos irresponsáveis?

Uma pessoa irresponsável é aquela que não assume ou não cumpre com as suas obrigações. Alguns exemplos desse comportamento são chegar atrasado frequentemente e não cumprir os prazos estabelecidos para entregar relatórios e outros documentos.

Nesses tempos de pandemia, quando muitas empresas adotaram o home office, a lista de comportamentos irresponsáveis aumentou significativamente, indo desde o uso do computador cedido pela empresa para baixar filmes até a participação de reuniões embriagado.

Esse tipo de atitude geralmente gera incômodo nos colegas de trabalho e reclamações ao gestor, obrigando-o a se posicionar. É comum que estes profissionais chamem o colaborador e conversem com ele pessoal ou remotamente, mas nem sempre essa atitude resolve o problema.

Como agir nestes casos?

Vou dar a você 2 dicas de como buscar resolver a questão:

1# Identifique a causa do comportamento irresponsável dos colaboradores

Qual a razão de o funcionário frequentemente atrasar o envio dos relatórios, deixando outros colegas também em situação difícil? É porque ele procrastina demais e quando começa a realizar a atividade não consegue finalizá-la a tempo? Falta-lhe conhecimento técnico para realizar o trabalho? Ele está sobrecarregado? Ainda está se adaptando ao trabalho remoto?

Identificar o motivo pelo qual ele apresenta esse comportamento vai ajudar você a não apenas lhe dizer que sua atitude deve mudar, mas também orientar sobre como esse comportamento pode ser modificado. Lembre-se de que ser gestor e ser líder são coisas diferentes e você quer ser respeitado como líder, não é?

Então aja como um. Liderança implica empatia, isto é, se colocar no lugar do outro e buscar compreender o que se passa, olhando para a situação pela perspectiva dele e não pela sua.

2# Reconheça a importância da pessoa dentro da empresa

Reconhecer que o trabalho realizado por alguém é importante costuma ser muito positivo para iniciar uma mudança de comportamento. A maioria das pessoas está pronta para reagir a reclamações, mas se desarma se for tratada de maneira amigável.

Por isso, fale com seu subordinado sobre o quanto o trabalho dele é importante. Aponte também a necessidade de se alinhar ao perfil esperado para ter mais chances de crescer na empresa e estabeleça metas que ajudem a pessoa a manter atitudes sempre responsáveis.

E os comportamentos improdutivos?

Quem pensa que uma pessoa improdutiva é também irresponsável, nem sempre está certo. Muitos colaboradores chegam cedo ao trabalho e até entregam tarefas no prazo, mas, apesar disso, pouco produzem de fato.

Isso pode acontecer por diversas razões, como, por exemplo, gasto de tempo com tarefas que têm pouca prioridade, excesso de perfeccionismo ou até dificuldade para tomar decisões.

Durante a pandemia, a lista de motivos só aumenta: as distrações geralmente são maiores, já que o funcionário muitas vezes divide o espaço com outros familiares, os assuntos pessoais surgem e nem sempre podem ser postergados, encaixar a rotina profissional no ambiente pessoal é desafiador, etc.

Sendo assim, o que dissemos antes, sobre identificar a origem do comportamento de alguém e reconhecer a importância deste profissional para a organização continuam sendo dicas muito úteis.

Uma pessoa que não consegue eleger prioridades, por exemplo, estará sempre em conflito com os colegas e insatisfeita consigo por se considerar um profissional incapaz, quando, na verdade, ela precisa aprender a identificar o que é mais importante.

Os perfeccionistas devem ser confrontados com isso e lembrados de que “feito é melhor do que perfeito”. Geralmente eles se tornam improdutivos porque gastam uma enorme parcela do seu tempo tentando melhorar coisas mínimas, algumas das quais ninguém nota. Isso, além de sugar suas energias, faz com que o resto da equipe tenha uma visão negativa sobre ele.

Os que lidam com as distrações, como ter os filhos o tempo todo em casa, precisarão encontrar formas de distrair os pequenos enquanto as reuniões acontecem, bem como dialogar com os familiares para conscientizá-los da importância de respeitarem a rotina de trabalho, evitando, por exemplo, ruídos excessivos. 

É importante também buscar ter um olhar mais amplo para a situação da pessoa: ela começou a se comportar assim há pouco tempo ou já vem apresentando atitudes improdutivas desde que entrou para a empresa? Muitas vezes, por mais que não queiramos, nossa vida pessoal atrapalha o trabalho.

Assim, problemas de saúde, familiares e financeiros, por exemplo, tendem a ocupar a mente e assim reduzir o tempo e as energias que costumamos empregar no ambiente laboral. Uma mudança de rotina tão grande, como a causada pela pandemia, também pode afetar a produtividade do funcionário.

Nestes casos, vale olhar para o outro como um ser humano e buscar compreender que se trata de uma fase, um momento apenas. Dê um tempo ao seu colaborador! Se ele sempre foi bom funcionário, possivelmente voltará a sê-lo.

Como se vê, não existe uma fórmula mágica para resolver as questões que envolvem ter colaboradores irresponsáveis ou improdutivos. Isso vai depender de uma série de fatores e que bom que é assim, pois os desafios é que nos tornam gestores cada vez melhores!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *